• Marabá Diário

Covid-19

Atualizado: Mai 22


Em dois mil e dezenove

Surgiu um vírus malvado

Teve início na China

Deixou o mundo abalado

Maltratando e ceifando

O tal vírus amaldiçoado.


Rapidamente espalhou-se

Fez linha de transmissão

Pegou carona no buzú

No trem e no avião

O oportunista perigoso

Pega num aperto de mão.


O vírus da solidão

Veio mesmo para matar

Até a nossa liberdade

O miserável pôde afetar

Confinando o ser humano

Para não beijar e abraçar.


Em todos os continentes

Houve choro e aflição

Mãe deixando filho

Irmão deixando irmão

Ser enterrado sem velório

É de doer no coração.


Pequeno e invisível

Fecundo, cruel e covarde

Também não faz distinção

Se é civil ou autoridade

O ponto forte do vírus

É a baixa imunidade.


Contaminou presidentes

Alguns artistas levaram flores

O ateu também foi vitima

Do mesmo modo os pastores

Chegou nos legislativos

Xô peste e seus horrores.


O mundo inteiro se uniu

Para combater a pandemia

O gráfico ainda é crescente

Morre gente todo dia

Jesus, tenha misericórdia

Cesse logo essa agonia.


Nesses dias nebulosos

Precisamos ser educados

Seguir as recomendações

Para termos bons resultados

Ao contrário da ideia

Muitos irão ser vitimados.


De tamanho não tem medo

Não escolhe cara não!

De higiene ele não gosta

De álcool, água e sabão

Uma coisa eu te digo

Vamos evitar aglomeração.


Procure sempre se atualizar

Usando os meios digitais

você vai estar colaborando

Para não precisar dos hospitais

Os mesmos estão lotados

De certa forma em gerais.

Os profissionais da saúde

Tentam fazer sua parte

Muitos deles foram a óbito

No meio desse desastre

Tentando salvar o próximo

Nesse temeroso combate.


Muitos Não acreditam

Acham que é só zueira

Passam a noite na balada

De bebedeira em bebedeira

Quando o corona lhe acha

Começam na choradeira.


Abatido eu descrevo

Sou conhecedor e te digo

Peguei a maldita doença

Mas estou fora do perigo

Confiei no Pai Eterno

Ele foi bondoso comigo.


Tento reerguer as forças

Desse momento doloroso

Sinto pelos que se foram

Adeus seu Cláudio Cardoso

Deus receba em seus braços

No Céu de luz Glorioso.


A roda rodou ao contrário

Mudou tudo de posição

O desemprego só aumenta

Empresário virou peão

Madame virou faxineira

Nessa grande confusão.


A economia foi afetada

O mercado bem limitado

Novos costumes surgiram

O mundo foi dominado

Governos tentam ajudar

Aqueles mais fragilizados.


Vou ficando por aqui

Escrevendo o que não queria

Relatei o que vi e sobrevivi

As crueldades da pandemia

Do novo corona vírus

Que faz vitma sem quantia.


Deixo aqui o alerta

Com ar de colaboração

Se puder fique em casa

Evite aglomeração

Álcool em gel é essencial

Igual água e sabão.

Autor: Adão Almeida


0 visualização

CONHEÇA

Armações de diferentes modelos e preços.

Siga nosso Instagram

  • Instagram

Contato: (094) 991560210

" A vida é uma das maiores  escolas em que um individuo pode estudar. Pois, estudamos de forma integral, com aulas teóricas e práticas constantes, com professores rigorosos, e seu termino será somente quando acabar nosso ultimo fôlego de vida, enquanto tivermos  fôlego , somos estudantes ."

Adriana Araújo

Todos os direitos reservados - 2013-2020